Notícias


ACIPG é a favor da redução do número de vereadores

21/07/2015


Compartilhe

A diretoria da Associação Comercial, Industrial e Empresarial de Ponta Grossa (ACIPG) torna pública manifestação sobre o número de vereadores na Câmara Municipal de Ponta Grossa. “O momento econômico exige medidas de austeridade dos cidadãos, do setor privado e dos três poderes. Após análise detalhada de dados do Observatório Social dos Campos Gerais (OSCG) sobre a Câmara Municipal, dados econômicos de Ponta Grossa e comparativos com outros Municípios, somos favoráveis à redução do número de cadeiras na Câmara, de 23 para 09 e mais importante que o número de vereadores, defendemos a redução do custo do Legislativo”, destaca o presidente da ACIPG, Nilton Fior.

De acordo com dados do primeiro quadrimestre de 2015 do OSCG, os gastos da Câmara, no período citado, foram de R$ 2.449.044,00 com o número de 23 vereadores. Os gastos médios por mês foram de R$ 612.261,00 e os gastos médios por vereador de R$ 26.620,04. De acordo com projeção, se a Câmara tivesse, por exemplo, 11 vereadores, a diferença economizada por mês seria de R$ 319.440,52 e em quatro anos seria de R$ 15.333.145,04.

O número de deputados na Câmara de Ponta Grossa supera municípios como Londrina, que possui 19 cadeiras e Maringá, com 15, ambas cidades mais populosas que Ponta Grossa. “A diretoria da entidade acredita que osrecursos economizados deverão ser investidos nas áreas prioritárias (saúde, educação e segurança) e dar fôlego às contas públicas neste momento de recessão econômica”, comenta Fior.

Os dados do primeiro quadrimestre de 2015 do OSCG retratam que dos projetos apresentados pelos vereadores, 33 são projetos de lei - destes 46% são nomes de ruas - 152 são moções, 564 indicações e 120 comunicação.

Recentemente, a entidade também se pronunciou contra o reajuste dos subsídios dos vereadores.  “É notório que a Administração Municipal passa por dificuldades financeiras e por mais que a Câmara tenha orçamento para o reajuste, não o fazendo, possibilitaria uma devolução maior de recursos financeiros ao Executivo”, ressalta o presidente.





Leia Mais Notícias